Make your own free website on Tripod.com
A Paz e a Solidariedade

Home

Família...
Medo
Preconceito
Amor
A Paz e a Solidariedade
Poesias...
A Esperança e a Fé
A Solidão e a Tristeza
Alegria e Felicidade
A amizade
O trabalho
Sexo
Elementos

Solidariedade:
Grande laço da humanidade!
Paz:
A busca da solidariedade e do amor totais!

A Paz é a harmonia entre todos e tudo.

A Solidariedade é o grande caminho da Paz.

Talvez seja mais fácil definir a Paz como: a falta de problemas, de medos, etc., mas, na verdade, os problemas dificilmente se acabarão. Então, o que temos que fazer é ser solidários, buscar a Paz do próximo dos outros e, talvez assim, possamos receber em troca a nossa Paz.
Shalom!

Veja, a palavra solidão, vem de: sozinho...
Solida-riedade vem de solidário, de conjunto...

Assim como numa orquestra sinfônica é preciso "solidaridade" entre seus integrantes para haver a harmonia geral do grupo e, por extensão, de cada um de seus integrantes, na vida precisamos nos harmonizar com todos à nossa volta para termos e darmos Paz.

O floquinho

Havia uma pequena aldeia onde o dinheiro nao entrava.
Tudo o que as pessoas compravam, tudo o que era cultivado e produzido por cada
um, era trocado.
A coisa mais importante, a coisa mais valiosa, era a Amizade.
Quem nada produzia, quem nao possuía coisas que pudessem ser trocadas por alimentos,
ou utensílios, dava seu CARINHO.

O CARINHO era simbolizado por um floquinho de algodao. Muitas vezes, era normal
que as pessoas trocassem floquinhos sem querer nada em troca. As pessoas davam
seu CARINHO pois sabiam que receberiam outros num outro momento ou outro dia.

Um dia, uma mulher muito má, que vivia fora da aldeia, convenceu um pequeno
garoto a nao mais dar seus floquinhos. Desta forma, ele seria a pessoa mais
rica da cidade e teria o que quisesse.

Iludido pelas palavras da malvada, o menino, que era uma das pessoas mais populares
e queridas da aldeia, passou a juntar CARINHOS e em pouquíssimo tempo sua casa
estava repleta de floquinhos, ficando até difícil de circular dentro dela.

Daí entao, quando a cidade já estava praticamente sem floquinhos, as pessoas
começaram a guardar o pouco CARINHO que tinham e toda a HARMONIA da cidade desapareceu.
Surgiram a GANANCIA, a DESCONFIANÇA, o primeiro ROUBO, o ODIO, a DISCORDIA,
as pessoas se XINGARAM pela primeira vez e passaram a IGNORAR-SE pelas ruas.

Como era o mais querido da cidade, o garoto foi a primeiro a sentir-se TRISTE e SOZINHO, o que o fez o menino procurou a velha para perguntar-lhe e dizer-lhe
se aquilo fazia parte da riqueza que ele acumularia.
Nao a encontrando mais, ele tomou uma decisao. Pegou uma grande carriola, colocou todos os seus floquinhos em cima e caminhou por toda a cidade distribuindo aleatoriamente
seu CARINHO. A todos que dava CARINHO, apenas dizia: "Obrigado por receber meu
carinho".

Assim, sem medo de acabar com seus floquinhos, ele distribuiu até o último CARINHO sem receber um só de volta.

Sem que tivesse tempo de sentir-se sozinho e triste novamente, alguém caminhou até ele e lhe deu CARINHO. Um outro fez o mesmo...Mais outro...e outro...até
que definitivamente a aldeia voltou ao normal.

MORAL DA ESTORIA: Nunca devemos fazer as coisas pensando em receber em troca.
Mas devemos fazer sempre. Lembrar que um amigo existe é muito importante. Muito mais importante do que cobrar dos outros que se lembrem de você, pois assim,
você estará querendo acumular amizades sem fazer o seu papel de amigo.

Receber CARINHO é muito bom. E o simples gesto de lembrar que um amigo existe
é a forma mais simples de fazê-lo.

pomba.gif

Entre a conscincia e o sonho, me deparei com uma grande sala.
Ao me aproximar, percebi um guardio na porta que me disse.

- Ninguem pode entrar aqui. Aqui esto guardados os "Livros da Vida". Aquele que conseguir passar por esta porta poder ter acesso ao seu livro e modific-lo ao seu gosto.

Minha curiosidade era grande! Afinal, poderia escolher o meu destino.

Com minha insistencia o guardio resolveu ceder um pouco e me disse:

- Est bem. Dou-te cinco minutos, e nem mais um segundo.

Eu nem acreditava! Cinco minutos era mais que suficiente para que eu pudesse decidir o resto da minha vida, afinal, poderia apagar e acrescentar o que eu quisesse no "Livro da minha vida".

Entrei e a primeira coisa que vi foi o Livro da vida do meu pior inimigo.

No aguentei de curiosidade. O que ser que estava escrito no livro da vida dele? O que ser que o destino reservava para aquela pessoa que eu no suportava?

Abri o livro e comecei a ler. No me conformei:

- Verifiquei que sua vida lhe reservava muita coisa boa e no tive dvidas. Apaguei as coisas boas e reescrevi o seu destino com uma poro de coisas ruins.

Logo vi outro livro. De outra pessoa que eu no gostava e fiz a mesma coisa...

De repente me deparo com meu prprio livro!

Nem acreditei. Este era o momento... Iria mudar meu destino... Iria apagar todas as coisas ruins e iria reescrever s coisas boas. Seria a pessoa mais feliz do mundo!

Quando peguei o livro, eis que alguem bate no meu ombro:

- Seu tempo acabou! Pode sair.

Fiquei atnito!

- Mas eu no tive tempo nem de abrir o meu livro?

- Pois , disse o guardio. Eu te dei cinco minutos preciosos e voc poderia ter modificado o seu livro, mas voc s se preocupou com a vida dos outros e no teve tempo de ver a sua.

Abaixei minha cabea, cobri minha face com as mos... e sa da sala.

Numa noite, estava uma senhora negra, americana do lado de
uma estrada no estado do Alabama enfrentando um tremendo temporal.
O carro dela tinha enguiado e ela precisava, desesperadamente, de uma carona.
Completamente molhada, ela comeou a acenar para os carros que passavam.
Um jovem branco, parecendo que no tinha conhecimento dos acontecimentos e conflitos dos anos 60, parou para ajud-la. O rapaz a colocou em um lugar protegido, procurou ajuda mecnica e chamou um txi para ela.
Ela parecia estar realmente com muita pressa mas conseguiu anotar o endereo dele e agradece-lo. Sete dias se passaram quando bateram porta da casa do rapaz.
Para a surpresa dele, uma enorme TV colorida com o console e tudo estava sendo entregue na casa dele com um bilhete junto que dizia:
"Muito obrigada por me ajudar na estrada naquela noite. A chuva no s tinha encharcado minhas roupas como tambm meu esprito. A, voc apareceu. Por sua causa eu consegui chegar ao leito de morte do meu marido antes que ele falecesse.
Sinceramente, Mrs. Nat King Cole".
Obs.: Pequenos atos ou gestos podem ser a diferena que
falta para termos um mundo melhor. Seja Voc esta diferena.