Make your own free website on Tripod.com
A Esperança e a Fé

Home

Família...
Medo
Preconceito
Amor
A Paz e a Solidariedade
Poesias...
A Esperança e a Fé
A Solidão e a Tristeza
Alegria e Felicidade
A amizade
O trabalho
Sexo
Elementos

A Fé e seu caminho...

A Fé é o que nos faz viver. Sem Fé em nada, não poderíamos viver. Já que a Fé presume desde a confinça em algo, como no ônibus, que estará à passar por ali todos os dias; até a Fé maior, em algo que, a princípio, como matéria, não existe: DEUS.

A Fé é o contrário do medo.

Todo humano sonha. Todo humano tem seus ideias. Todo humano tem seus desejos. A Esperança, junto com a Fé, são os caminhos para a realização de tudo em nossas vidas.


"O mundo me intriga, e não posso imaginar que este relógio exista e não haja relojoeiro."
Voltaire

Onde Deus se Esconde

Um dia, quando estavam todos os seus anjos reunidos, Deus desabafou, referindo-se às suas criaturas humanas:
- Eu os criei, dei-lhes tudo que eles precisam para viver, coloquei em cada um inteligência e sensibilidade e, acima de tudo, dei-lhes o livre-arbítrio para que decidissem por si próprios o que fazer de suas vidas.
E prosseguiu:
- Contudo, eles não entendem que eu quero que tenham liberdade de escolha. A sua insegurança é tanta que chamam por mim o tempo todo, querendo que eu lhes diga o que fazer e o que deixar de fazer em suas vidas, sempre me pedindo que eu decida por eles, querendo que eu resolva todos os seus conflitos pessoais e até suas brigas de vizinhos. Se eu tomar a dianteira nisso tudo, eles jamais crescerão!
E mais:
- Como Pai, quero que eles se desenvolvam, que fiquem independentes de mim. Mas ao mesmo tempo, quero ficar perto, pois numa hora dessas a carga poderá ser realmente muito pesada para eles e aí precisarão mesmo da minha intervenção. Preciso encontrar um lugar para me esconder onde eles só me achem depois de procurarem muito e que me permita ao mesmo tempo ficar bem perto deles, observando.
Então um anjo falou:
- Por que o Senhor não vai para o alto do Himalaia; lá é tranqüilo e muito alto, de jeito que o Senhor poderia ver tudo que estivesse ocorrendo com eles, lá em baixo.
- Não, o Himalaia não. Fizeram muitas casas para mim lá e hoje é um dos lugares onde mais me procuram, comentou o Senhor, pouco animado com a idéia do anjo.
Disse outro anjo:
- Acho que o fundo do mar seria um lugar ideal para o que o Senhor está querendo...
- Que idéia a sua!, foi logo dizendo o Senhor, eles me achariam lá num instante! E além disso eu não poderia estar o tempo todo perto deles, como eu quero.
E mais outro anjo deu a sua idéia:
- Tente então ir para a lua. De lá se pode ver tudo que acontece na terra e ninguém o procurará lá, tenho certeza.
- Também já tentei isso e eles rapidamente descobriram o meu paradeiro...
Os anjos prosseguiram dando idéias de lugares onde Deus poderia se esconder dos homens e um a um ele os descartou a todos. Até que Ele próprio, teve um estalo e disse:
- Ei, esperem! Acho que descobri o lugar perfeito onde me esconder. Eles nunca me acharão lá, porque nunca se lembrarão de procurar ali. Vou me esconder dentro de cada pessoa, no coração de cada um deles. Lá, eles dificilmente me encontrarão, exceto aqueles que já me encontraram...
Lá eu poderei acompanhá-los o tempo todo, estimulando-os a irem adiante quando sentirem dúvida. E todos que me encontrarem reconhecerão facilmente a minha presença na presença do outro.
E assim foi.

Autor desconhecido

A montanha - autor desconhecido

Um grupo de amigos, se organizou para subir uma montanha, que muitos enxergavam das janelas de suas casas. Parecia ser um lugar agradável e desafiador. Deveria ser emocionante passar pela floresta, que ficava ao pé da montanha, e escalar, em seguida, as rochas que, de longe, pareciam ser azuis.

Aqueles que já haviam subido voltaram entusiasmados. Diziam que, no topo, um vento frio espantava todo o cansaço acumulado, a visão se abria e cidades fantásticas mostravam suas formas. As casas eram pequenas, as pessoas pareciam crianças brincando com carrinhos e as nuvens, muito baixas, enchiam os vales.

O grupo combinou de encontrar-se ao pé da montanha às seis horas da manhã e iniciar a escalada antes que o sol fosse muito quente.

Pela manhã, no local de partida, começaram à chegar as pessoas, alegres, com mochilas nas costas e a saída atrasou, porque alguns perderam a hora. Outros preferiram ficar em casa, dormindo um pouco mais, e não compareceram ao compromisso assumido.

Partiram. Depois de uma pequena caminhada, o grupo encontrou a primeira dificuldade: uma pedra no meio do caminho. Alguns acharam o desafio importante e passaram, ajuntando-se um ao outro, mas vários desistiram, voltando para casa, dizendo que lhes faltava treino, mas que, da outra vez, iriam.

O sol estava esquentando cada vez mais. Ao chegar na metade do caminho, todos estavam cansados e suados e resolveram parar um pouco. Aos seus pés, viam, com nitidez, a cidade, as ruas, as casas, as árvores. Vários acharam que já era o suficiente e resolveram voltar. O grupo que seguiu na escalada já era bem menor.

No decorrer da caminhada, encontraram um lugar com sombra e água fresca. Era gostoso molhar os pés, beber água fresca, brotando da rocha, e sentar embaixo das árvores. Então, alguns propuseram: "Nós ficamos aqui, está muito bom, e esperamos vocês voltarem." Lá ficaram, enquanto o grupo decidido continuou.

Diante de todos, surgiu uma rampa perigosa. Para subir, era necessário apoiar com firmeza os pés e segurar-se firme com as mãos nas saliências das rochas. Para muitos, isso era exigir demais, e desistiram, voltando até o grupo da sombra e água fresca.

Poucos continuaram a escalada até o topo mais alto da montanha, mas, ao chegarem, emborra cansados, estavam felizes por terem superado as dificuldades e animado os seus companheiros à caminhar. Ao mesmo tempo, estavam sentidos, porque muitos haviam desistido da escalada, apresentando as mais diversas justificativas.

A natureza lhes fazia festa. O sol claro iluminava com detalhes as montanhas vizinhas e destacava as diferentes tonalidades do verde. Ao longe, uma faixa branca de espuma separava o mar e a terra, e o vento levava embora os últimos resquícios de cansaço.

Com alegria, puderam dividir a água e o lanche que haviam trazido. Um conquista comum formou uma comunidade de amigos. O esforço foi amplamente compensado: sentiram-se mais livres e fortes, em uma grande comunhão com a natureza, somada à solidariedade dos companheiros.

Voltar foi fácil. Em casa, tinham muita coisa pra contar: o contato com a natureza, o esforço, a solidariedade, a conquista.


Muitas vezes, nós deixamos de subir montanhas, de aceitar desafios que atravessam nosso caminho, pelo simples medo de tentar.

Deus:

"Passei tanto tempo te procurando, não sabia onde estavas.

Olhava o infinito, não te via e pensava comigo mesmo:

'Será que Tu existes?'

Não me encontrava na busca e prosseguia.

Tentava te encontrar nas religiões e nos templos. E Tu não estavas.

Te busquei através de sacerdotes e pastores e não Te encontrei.

Senti-me só e desesperado. Te descri. Na descrença Te ofendi.

Na ofensa, tropecei e caí. Na queda, senti-me fraco. Na fraqueza, pedi socorro.

No socorro, encontrei amigos. Nos amigos encontrei carinho.

No carinho, vi nascer o amor. Com o amor vi um mundo novo.

No mundo novo, resolvi doar. Doando, recebi. Recebendo, me senti feliz.

Feliz, encontrei a paz. E com paz, foi que te enxerguei, pois dentro de mim Tu estavas.

E sem Te procurar... foi que Te encontrei."

Autor Desconhecido